Ir direto para menu de acessibilidade.
Início do conteúdo da página

Levantamentos Anteriores

Publicado: Quarta, 14 de Março de 2018, 14h06 | Última atualização em Quinta, 18 de Outubro de 2018, 12h12 | Acessos: 2340

Desde 2013, o Ministério do Meio Ambiente realiza consulta anual aos órgãos estaduais para elaborar um panorama acerca da existência de Planos de Resíduos Sólidos (Estaduais e Municipais) e da forma de Disposição Final dos Resíduos Sólidos Urbanos (RSU) coletados. O conteúdo declarado pelos Estados foi consolidado juntamente com dados e informações disponíveis em outras bases do Governo Federal, como por exemplo o Sistema Nacional de Informações sobre Saneamento (SNIS, MCidades) e a Pesquisa de Informações Básicas Municipais (Munic, Ibge).

A partir de 2017, informações Logística Reversa em âmbito estadual passaram a fazer parte desse levantamento. O panorama elaborado constitui um conjunto de informações relevantes para a avaliação e monitoramento da implementação da Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS) e subsidiará a reformulação das ações do Ministério do Meio Ambiente no sentido de promover a gestão ambientalmente adequada dos resíduos sólidos no país.

O levantamento 2017 apontou que pouco mais da metade dos municípios (54,8%) possuem Plano Integrado de Resíduos Sólidos. A presença do plano tende a ser maior em municípios com maior porte populacional, variando de 49,1% nos municípios de 5.001 a 10.000 habitantes para 83,3% nos com mais de 500.000 habitantes. Em termos das Grandes Regiões, os percentuais mais elevados são os do Sul (78,9%), Centro-Oeste (58,5%) e Sudeste (56,6%). Situando-se abaixo da média nacional as Regiões Norte (54,2%) e Nordeste (36,3%). No recorte estadual os maiores índices são os do Mato Grosso do Sul (86,1%) e Paraná (83,1%) e os menores os da Bahia (22,1%) e Piauí (17,4%). Estados de peso, em termos de população, como o Rio de Janeiro (43,5%) e Minas Gerais (43,7%), situam-se abaixo da média nacional

Consulte abaixo o documento consolidado contendo informações sobre os anos 2013, 2015, 2016 e 2017:
 
 
 
 
Fim do conteúdo da página